A Pesquisa é um Processo.

 

O conhecimento para a elaboração da monografia não acontece da noite para o dia. Não existe passe de mágica, mas diferentes etapas de trabalho realizadas ao longo de determinado tempo.

 

Uma coisa é certa! Não seremos abençoados por qualquer divindade (por maior que seja a nossa fé), a menos que nos envolvamos em tarefas de coleta de material, de sistematização do material adquirido, de reflexão sobre o material, e, finalmente, no processo de redação. Imaginar que vai sentar em frente ao computador e escrever o trabalho de uma só vez, é ilusório e angustiante.

 

Por isto, ao invés de pensar em “uma” pesquisa, podemos imaginar “um processo”; ou seja, uma série de etapas que devemos percorrer, até chegarmos à defesa pública do trabalho.

 

O processo que propomos, e que iremos desenvolver durante o semestre, é o seguinte:

 

  1. Investigação e escolha do tema de pesquisa.
  2. Levantamento Bibliográfico. Procurar por material sobre o seu tema em biblioteca(s), Internet, conversa com colegas, e, especialmente, professores orientadores. Junte o máximo de material possível, ainda que, posteriormente, não o utilize totalmente.
  3. A partir do Levantamento, escolher o que é mais importante e classificar as leituras em ordem cronológica. De preferência, junto com o orientador.
  4. Ler e fazer Fichamentos.
  5. Separar, organizar e sistematizar as informações. Com o orientador.
  6. Fazer rascunhos, sumários provisórios, tópicos de assuntos a serem desenvolvidos. Com o orientador.
  7. Começar a redação do trabalho: escrever, reescrever, reescrever...
  8. Como se pode perceber, esse trabalho não pode ser feito ao mesmo tempo, mas são necessários diferentes momentos complementares e acumulativos, com o orientador.
  9. Além do seu orientador(a), procure por colegas que possam ler e discutir o seu trabalho. Se possível, faça um grupo e troque os diferentes trabalhos.

Para chegar ao tema:

 

Qual o conhecimento que já temos acumulado?

 

Reflita sobre o passado, o que já foi aprendido e as suas afinidades nas diferentes áreas de conhecimento. Não partimos do nada, mas temos conhecimento acumulado dentro e fora da universidade. Como se constrói a nossa afinidade com determinadas áreas de conhecimento?

Direito Penal, Civil, Processo Penal, Filosofia, Processo Civil, Sociologia, Constitucional, Trabalhista, etc.

Se for difícil escolher o que tem maior afinidade, comece a pensar por exclusão. O que pode afastar? O que tem certeza não querer, não gostar?

Você se envolver durante muito tempo com o seu tema, e vai passar por momentos de desafeto, de cansaço, de repetição. Por isto, é melhor escolher um tema que, pelo menos inicialmente, tenha bastante afinidade.

 

 

O tema é o contexto mais amplo onde se insere o objeto de pesquisa.

 

Um tema envolve um conjunto de problemas dentro de uma área ampla como, por exemplo, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Todavia, uma pesquisa sobre o ECA é muito ampla, e por isso, dentro desse tema, devemos escolher um determinado foco, um objeto.

Fazer pesquisa é restringir horizontes e criar um problema a ser investigado. Não interessa a totalidade do ECA, mas, dentro do ECA o que pode permitir uma investigação? Há um problema teórico ou prático que podemos abordar tendo o ECA como tema de pesquisa?

E aqui criamos um outro problema. Não saberemos o que pesquisar a menos que comecemos a ler. É a partir da literatura da área que descobrimos quais são os problemas relevantes, e quais são os questionamentos e as dificuldades envolvidas em determinado tema de pesquisa.

 

 

Algumas questões sobre o tema de pesquisa, de monografia:

 

1. A escolha de um determinado tema pode ajudar profissionalmente?

    Sim.  Mas isso não é o mais importante neste momento.

 

2. Vai ajudar a desenvolver o raciocínio lógico e a capacidade de pesquisa e análise?

    Sim. E isto é o mais importante! Se aprender a coletar, sistematizar, organizar e redigir a sua pesquisa, vai levar isto para o resto da vida. Aprendendo  a lógica da pesquisa, vai usá-la para qualquer tema que se defrontar durante sua carreira profissional ou acadêmica.

 

3. O assunto vai motivar e provocar interesse durante os próximos dois semestres?

    Tem que se envolver, senão não terá fôlego para o período.

 

4. Existe literatura acessível sobre o tema, e posteriormente, sobre o objeto de pesquisa?

    É fundamental um bom Levantamento Bibliográfico. Começar um trabalho sem saber se existe material é perder muito tempo.

 

5. É possível relacionar o tema com a oferta de orientadores?

 

 

Tema e orientador.

 

Além da afinidade com o tema, inclua a afinidade com o(a) possível professor(a) orientador(a).

Como vai ser esta relação entre orientador(a) e aluno(a)?

Leia o  Regulamento da Monografia para o Curso de Direito.

Converse com os alunos do 9º e 10º semestres que já estão em processo de orientação. Além das afinidades imaginadas, podem adquirir informações sobre a relação entre orientadores(as) e alunos(as).

Continuamos a fazer pesquisa. E fazer pesquisa não é somente ler livros.